Dia 8 — Interferência Política

1/ O filho do general Mourão foi promovido a assessor da presidência do Banco do Brasil, onde passará a receber cerca de 35 mil reais, 23 mil a mais que sua média saláral anterior. Servidor da instituição há 18 anos, Rossell Mourão ocupava a diretoria da área de Agronegócios. Ao assumir a presidência do banco, Rubem Novaes proclamou que a instituição agora estaria livre de interferências políticas. (Veja / Correio / R7)

2/ O novo presidente da Petrobrás demitiu todos os diretores indicados pelo governo Dilma. Sollange Guedes, Hugo Repsold e Jorge Celestino haviam chegado à estatal em 2015, e foram mantidos ao longo do mandato de três presidentes da Petrobrás. Indicado por Bolsonaro, Castello Branco anunciou que “uma nova era se inicia”. (Valor)

3/ O Brasil comunicou à ONU sua saída do Pacto Mundial de Migração, compromisso firmado há menos de um mês pelo governo Temer. Pelo Twitter, o chanceler Ernesto Araújo justificou que “a imigração não deve ser tratada como questão global, mas sim de acordo com a realidade e soberania de cada país”. A ONU, por sua vez, alertou que os brasileiros serão os maiores prejudicados com a medida, uma vez que há muito mais brasileiros vivendo no exterior do que migrantes no Brasil. (Correio)

Redação