Dia 78 — Encontros e Desencontros

1/ Em reunião com Trump, Bolsonaro sinalizou apoio a uma possível invasão na Venezuela. Questionado se o Brasil apoiaria uma ação militar americana contra o país vizinho, o presidente afirmou que “O Brasil está a postos para cumprir essa missão de levar liberdade e democracia para esse país“, mas que “tem certas questões que, se você divulgar, deixam de ser estratégia”. Trump reforçou que "todas as opções estão abertas" , e não descartou a possibilidade de atacar a Venezuela. (Veja / Correio)

2/ No mesmo encontro, Trump criou obstáculos à entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Pleiteada desde o governo Temer, a vaga brasileira na OCDE supostamente atrairia mais investidores estrangeiros para o país, ao custo de ter de adotar uma série de políticas econômicas liberais. Porém, os EUA vêm sabotando a candidatura brasileira. Dessa vez, apesar de declarações superficiais de apoio, Trump exigiu que o Brasil primeiro abandone seu status de país com tratamento especial na Organização Mundial do Comércio, o que permite mais flexibilidade e tempo para que o país cumpra acordos comerciais e proteja a indústria nacional. (O Globo / UOL / R7)

3/ O governo brasileiro deixou de pedir vistos para turistas do Canadá, EUA, Japão e Austrália. A medida, que tinha o objetivo de aproximar o Brasil desses países, especialmente os EUA, não teve nenhuma contrapartida por parte dos beneficiados. Justificando a liberação unilateral frente a políticas de imigração cada vez mais restritas por parte dos Estados Unidos, Bolsonaro disse que a maioria dos imigrantes, inclusive os brasileiros, “não tem boas intenções”. No dia seguinte, ele voltou atrás na declaração e disse que cometeu um “ato falho”. (Veja / Folha / EBC)

Redação