Dia 56 — Convívio Democrático

1/ O general Mourão afirmou que a Venezuela não vai conseguir se livrar sozinha do regime Maduro, mas que não devem ser necessárias “medidas extremas”. Ao invés disso, o vice-presidente recomendou o uso de sanções e pressão por meio de organismos internacionais, como a ONU. Também presente durante encontro do chamado Grupo de Lima, conjunto de treze países americanos contrários ao governo de Maduro, estava o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Questionado sobre a posição brasileira de cortar relações com a Venezuela mas manter diálogo com o ditador da Coreia do Norte, Araújo disse que não sabia se o regime norte-coreano oprimia seu povo “com esse grau de brutalidade”. (G1 / DW)

2/ O Ministério da Educação mandou carta pedindo que as escolas leiam uma mensagem do ministro e filmem os alunos cantando o hino nacional. O texto a ser lido é assinado pelo ministro Ricardo Vélez e inclui o slogan de campanha “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos!”, gerando críticas pela violação dos princípios da laicidade do Estado e da impessoalidade da administração pública. O diretor da Associação Brasileira de Escolas Particulares, Arthur Fonseca Filho, considerou o pedido ilegal, argumentando que o MEC não tem competência para fazer esse pedido e que as escolas não têm autorização para enviar imagens de seus alunos para o governo. O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) anunciou que deve denunciar Vélez por crime de responsabilidade. (Estadão / Folha)

Redação