Dia 29 — Bodes Expiatórios

1/ Os dois engenheiros que escreveram relatório que atestava a segurança da barragem de Brumadinho foram presos. Também foram presos três funcionários de baixo escalão da Vale, enquanto as autoridades investigam se o documento pode ter sido forjado. Não houve mandato contra nenhum dos executivos da empresa. Em entrevista, o ministro da Casa Civil afirmou que “não seria bom para o mercado” afastar a diretoria da Vale. (R7 / Folha / Correio)

2/ Animais atolados na lama em Brumadinho estão sendo executados a tiros. O chefe da Defesa Civil de Minas disse que há parte da equipe dedicada ao resgate de animais, mas que em muitos casos não há outra opção além do tiro de misericórdia. De um helicóptero, um agente armado com um fuzil elimina os bichos que não podem ser facilmente resgatados. (Veja / Exame)

3/ O ministro da Educação afirmou que “a ideia de universidade para todos não existe” e que elas devem ser reservadas à “elite intelectual”. Em seu lugar, Vélez defendeu que os jovens se formem pelo ensino técnico, já que “não faz sentido um advogado estudar pra virar motorista de Uber”. Nesse sentido, defendeu uma redução drástica no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que já sofreu cortes no governo Temer. Em 2016, o Ministério da Educação ajudava a financiar cerca de um terço dos alunos do ensino superior privado. (Valor / Folha)

4/ Canal de vídeos voltado para surdos ligado ao MEC retirou do ar programas sobre pensadores de esquerda. A TV Ines é mantida pelo Instituto Nacional de Educação para Surdos, órgão vinculado ao ministério da Educação. Entre os programas que desapareceram estão uma entrevista do ex-deputado Jean Wyllys, uma biografia sobre Karl Marx e outros envolvendo nomes como Friedrich Engels, Antonio Gramsci e Marilena Chauí. A direção do instituto não soube explicar o sumiço. (O Globo)

Redação