Dia 102 — Entendidos

1/ Bolsonaro admitiu ter interferido nos preços da Petrobrás. A estatal havia anunciado um aumento de 5,7% no valor do diesel, mas voltou atrás horas depois a pedido do presidente, que temia uma nova greve de caminhoneiros. Bolsonaro alegou que apesar de ter ligado diretamente para o presidente da Petrobrás para reverter o aumento, não se considera um “intervencionista” e que não deseja repetir “as políticas que fizeram no passado”. As ações da Petrobrás caíram mais de 7%. (DW / Veja)

2/ Das 35 metas consideradas “cumpridas” pelo governo, metade ainda está em andamento. Depois do governo comemorar ter atingido todos os objetivos previstos para os primeiros 100 dias, na realidade 17 das ações ainda estão tramitando ou exigem outros passos para se concretizarem, como por exemplo a prometida independência do Banco Central. (Estadão)

3/ Para Bolsonaro, “o Exército não matou ninguém” no fuzilamento do músico Evaldo Rosa dos Santos por militares do Rio de Janeiro. Segundo o presidente, “o Exército é do povo e a gente não pode acusar o povo de assassino”. O veículo, que levava o músico e sua família para um chá de bebê, foi alvejado por oitenta tiros. Evaldo morreu no local. Ficaram feridos seu sogro e um catador de papel que tentou socorrer a família. (Veja / G1 / Folha)

Redação