Dia 197 — Autorização Judicial

1/ O ministro Dias Toffoli do STF suspendeu as investigações contra Flávio Bolsonaro. A decisão atinge todos os processos que envolvem dados bancários obtidos pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sem autorização judicial. A suspensão dura até que o Supremo decida sobre a legalidade da troca de informações por órgãos de controle sem que a Justiça se pronuncie primeiro. Flávio Bolsonaro está sendo investigado por transações financeiras suspeitas e possível envolvimento em esquema de “rachadinha” e lavagem de dinheiro por meio da compra e venda de imóveis. (DW / Veja)

Redação
Dia 192 — Minions

1/ Um dia depois de seu aniversário, Eduardo Bolsonaro foi escolhido pelo pai para o cargo de embaixador brasileiro em Washington. O posto está vazio desde abril, quando Bolsonaro removeu o antigo embaixador por estar insatisfeito com sua imagem de racista e homofóbico no exterior. A festa de aniversário de Eduardo, 35 anos, teve tema de Minions. (G1 / Veja / Folha)

Redação
Dia 191 — Terrivelmente Evangélico

1/ Em culto promovido pela bancada evangélica da Câmara, Bolsonaro disse que vai nomear um ministro “terrivelmente evangélico” para o Supremo Tribunal Federal. A promessa busca agradar o grupo religioso que mais apoia Bolsonaro - 41% dos evangélicos consideram o governo bom ou ótimo, contra 30% dos católicos e 25% dos sem religião. A expectativa é que a presença religiosa no STF impeça decisões como o reconhecimento da união homoafetiva e a equiparação do crime de homofobia ao de racismo. (Veja / G1)

2/ Apesar de protestos e tentativas da oposição de impedir o processo, a Câmara dos Deputados votou para aprovar a reforma da previdência. Para garantir os votos a favor, o governo liberou mais de 3 bilhões de reais em emendas parlamentares só nesse mês. O texto ainda precisa ser votado em segundo turno pela casa e depois passar pelo Senado. Como está, a reforma prevê regras mais duras para todos os trabalhadores, que só poderão se aposentar com 65 anos (se homens) ou 62 anos (mulheres). A aposentadoria integral só será possível com pelo menos 40 anos de contribuição, e o valor da aposentadoria será calculado de uma maneira menos vantajosa para o aposentado. (Veja / DW / BBC)

Redação